Além da delimitação consciente das Unidades de Tradução, outra estratégia que pode ser útil ao cacdista nas tarefas de tradução e versão na prova de inglês da terceira fase é o uso, também consciente, de subsídios internos, especialmente porque não é permitido o recurso a subsídios externos, como dicionários bilíngues em geral, textos paralelos ou glossários especializados. Neste post, continuarei reportando à discussão proposta por Fábio Alves no livro Traduzir com autonomia: estratégias para o tradutor em formação, no qual ele fala sobre dois subsídios internos: a memória e as inferências.

No que diz respeito à memória, Alves afirma que ela tem três funções principais: armazenar informações, recuperar informações armazenadas e esquecer informações. A melhor forma de armazenar informações é através do estabelecimento de associações, o que pode acontecer ou por contiguidade, ou por frequência. Isso quer dizer que as melhores formas de armazenamento de informação são por meio do inter-relacionamento de informações (contiguidade) e pela repetição do registro (frequência). Assim, a capacidade de recuperar as informações armazenadas depende, ao menos em parte, da elaboração de uma rede de informações associativa.

Quanto à recuperação da informação, Alves explica que a memória tem duas fases: a memória de curto prazo e a de longo prazo. A memória de curto prazo, a qual inclui a memória visual, é aquela processada quase instantaneamente: ela está sempre disponível e o acesso a ela ocorre quase que de forma inconsciente. Alves dá o exemplo das palavras house, car e dog, as quais, se nos apoiarmos na memória de curto prazo, não teremos dificuldades para traduzir de forma praticamente automática. Entretanto, esses automatismos são perigosos no processo tradutório, já que a tradução requer reflexão consciente. No caso da palavra dog, por exemplo, traduzi-la como cachorro na frase it is raining cats and dogs poderia ser visto como não idiomático. Por isso, Alves argumenta que o processo tradutório se beneficia mais do apoio da memória de longo prazo, a qual ele define como “forma estável de codificação de informações que nos permite sua recuperação consciente por intermédio das redes associativas”. Para Alves, quanto maior o número de associações, maior a capacidade de recuperar a memória. Para ilustrar o que seriam essas redes associativas, Alves apresenta este mapa conceitual:

'Traduzir com autonomia", p. 63.
“Traduzir com autonomia”, p. 63.

Além da memória, há outro mecanismo cognitivo que funciona como subsídio interno no processo tradutório: a capacidade de produzir e processar inferências. Inferir é obter informações que não estão disponíveis de forma direta, e as inferências podem ser de caráter local ou global.  Inferências locais são raciocínios dedutivos possibilitados pelo caráter coesivo do texto. Por exemplo, no diálogo “A: Have you seen Peter? B: He has gone home”, se a frase He has gone home estivesse sozinha, não poderíamos concluir que foi Peter que foi para casa; entretanto, a inferência é possível com as duas frases, devido ao caráter coesivo de he.

Inferências globais, por sua vez, são aquelas que dependem da percepção de relações que vão além das de coerência, dependendo muitas vezes do conhecimento de mundo, por parte do tradutor. Por exemplo, veja a seguinte frase, tirada de um texto com o qual normalmente trabalho com meus alunos:

“It would go to quartering Redcoats to keep away marauding Indians, or to inhibit revengeful ‘Frogs.'”

A compreensão e a tradução desse trecho dependem de inferências globais, já que o tradutor precisaria ter o conhecimento de mundo de que Redcoats (“Casacas Vermelhas”) era o nome dado aos soldados britânicos e de que Frogs é um ethnic slur para “franceses”.

Ter consciência desses recursos de apoio interno é importante para evitar, na terceira fase, problemas tradutórios diversos, como automatismos inapropriados ou mesmo um bloqueio processual. No próximo post, pretendo comentar o capítulo final do livro Traduzir com autonomia, no qual Alves propõe um modelo didático para o processo tradutório, integrando as estratégias de tradução que vimos nesse post e no anterior, ou seja, a delimitação das Unidades de Tradução e o recurso consciente a mecanismos de apoio interno.

Cheers!

Referências:

PAGANO, A.; MAGALHÃES, C.; ALVES, F. Traduzir com autonomia: estratégias para o tradutor em formação. São Paulo: Contexto, 2011.

Uma das estratégias que podem ser úteis para as tarefas da tradução e da versão na terceira fase do CACD é a delimitação consciente das Unidades de Tradução dos textos de partida. Ao menos é isso que nos leva a crer o argumento de Fábio Alves, coautor do livro Traduzir com autonomia: estratégias para o tradutor em formação, cuja proposta é discutir estratégias de tradução que possibilitam a resolução de problemas tradutórios, partindo do pressuposto que o tradutor deve ter consciência das decisões que toma ao longo do complexo processo tradutório.

Mesmo que apenas intuitivamente, sabemos que a tradução de um texto se dá por partes (não necessariamente sequenciais), as quais podem ser chamadas de Unidades de Tradução (UTs). Um dos maiores desafios do processo tradutório é delimitar as UTs, sendo que às vezes uma UT corresponde a uma palavra, porém tantas outras vezes uma UT corresponde a um sintagma, uma frase, uma oração ou um período.

Para dar um exemplo de o que são UTs e como delimitá-las, cito uma frase de um texto do Traduzir com autonomia:

“Vistors who want to see how many of Brazil’s citizens live can now add the Morro da Previdência favela to their tourism itinerary.”

Pensando em termos de UTs, é interessante notar, conforme destaca Alves, a questão de que how many, normalmente um pronome interrogativo, aqui compõe duas UTs distintas: o sentido aqui não é de “quantos”, mas sim de “como” e “muitos”.

Outro trecho do mesmo texto diz:

“Six local teenagers will act as guides, showing off such sites as the Nossa Senhora da Penha Chapel […].”

Aqui, Alves destaca que show off compõe uma única UT, a qual tem o sentido diferente do de apenas show.

Há casos, por exemplo expressões idiomáticas e provérbios, em que a UT é bem mais extensa:

“A bird in the hand is worth two in the bush.”

Como provérbios não podem ser interpretados literalmente, é preciso traduzi-los de acordo com seu significado, pensando inclusive se há algum provérbio na língua de chegada que seja correspondente. Nesse caso, uma tradução possível seria “Mais vale um pássaro na mão do que dois voando”.

Também cito um exemplo tirado de um texto com o qual eu geralmente trabalho com meus alunos:

“Why not, then, have the colonists, who had been rescued from the wicked French, pay something for their own protection?”

Perceber “have the colonists _____ pay” como uma UT pode ajudar, nesse caso, a não perder de vista o fato de que essa é uma pergunta na causative form. A tradução dessa UT seria algo como “fazer com que os colonos _____ pagassem”.

Vale destacar que a delimitação das UTs não é algo objetivo. Como Alves ressalta, “as estratégias de tradução têm características predominantemente individuais”, ou seja, a delimitação das UTs de um texto de partida é subjetiva. É importante, por isso, que no ato tradutório sejamos conscientes das escolhas que fazemos, já que, ainda segundo Alves, “a delimitação das UTs é o ponto de partida para uma boa tradução”.

Termino este post com o conceito de UT elaborado por Alves:

“Unidade de tradução é um segmento do texto de partida, independente de tamanho e forma específicos, para o qual, em um dado momento, se dirige o foco de atenção do tradutor. Trata-se de um segmento em constante transformação que se modifica segundo as necessidades cognitivas e processuais do tradutor. A unidade de tradução pode ser considerada como a base cognitiva e o ponto de partida para todo o trabalho processual do tradutor. Suas características individuais de delimitação e sua extrema mutabilidade contribuem fundamentalmente para que os textos de chegada tenham formas individualizadas e diferenciadas. O foco de atenção e consciência é o fator direcionador e delimitador da unidade de tradução e é através dele que ela se torna momentaneamente perceptível.”

Cheers!

Referências:

PAGANO, A.; MAGALHÃES, C.; ALVES, F. Traduzir com autonomia: estratégias para o tradutor em formação. São Paulo: Contexto, 2011.

Passo ao quinto e último texto da prova de inglês do TPS 2013.

Each of the options below presents an excerpt taken from the text and a version of the same excerpt. Choose the one which has retained most of the original meaning found in the text.

A. “One curious snippet of information came from the United States later that same year, when it was noted rather laconically that two of Minor’s family had recently killed themselves…” (l.19-22) / One odd piece of information came from the United States that same year, when it was noted rather verbosely that two of Minor’s relatives had recently killed themselves…

Snipet of information não quer dizer o mesmo que odd piece of information, nem laconically o mesmo que verbosely.

B. “In the year following the disclosure about his relatives, the files speak of Minor’s having started to take walks out on the Terrace in all weathers, angrily denouncing those Who tried to persuade him to come back in…” (l.36-39) / In the year after the revelation about his relatives, the archives show that Minor had started to take walks out on the Terrance during any kind of whether, angrily extolling people who tried to convince him to come back in…

Denounce não quer dizer o mesmo que extol. Sem mencionar que during the weather não é nada idiomático – não há qualquer ocorrência no BNC (British National Corpus) ou no COCA (Corpus of Contemporary American English).

C. “He was replaced by Doctor Brayn, a man selected (…) by a Home Office that felt a stricter regime needed to be employed at the asylum.” (l.5-8) / He was substituted by Doctor Brayn, a man picked over (…) by a Home Office who believed a more rigid regimen needed to be established at the asylum.

Pick over não quer dizer select. Além disso, o pronome relativo who não poderia fazer referência a Home Office, já que não se trata de uma pessoa – apesar de não me parecer muito justo cobrar isso em uma questão que não fala nada sobre gramaticalidade. Por fim, regime não é sinônimo de regimen.

D. “Brayn was indeed a martinet, a jailer of the old school who would have done well at any prison farm” (l.9-10) / Brayn was really punctilious, a traditional jailer who would have been successful working at any prison farm.

Alternativa CORRETA. O substantivo martinet tem um sentido próximo daquele do adjectivo punctiliousOld school quer dizer o mesmo que traditional. Por fim, o verbo do, quando intransitivo, pode ser usado para falar de saúde ou de sucesso.

E. “There were no escapes during his term of office (…), and in the first year two hundred thousand hours of solitary confinement were logged by the more fractious inmates.” (l.11-15) / No one escaped while he was in office (…), and in the first year of his mandate two hundred thousand hours of solitary confinement were registered by the more ingratiating prisoners.

Fractious não é o mesmo que ingratiating.

Cheers!

Sigo comentando a prova, agora passando ao quarto texto.

The words “poised” (l.19) and “yields” (l.47 and 53) mean, respectively,

A. On the verge and returns.

B. Etiolated and profits.

C. Shaken and gains.

D. Ready and risks.

E. Bolstered and outlay.

Poised está relacionado aos sentidos de on the verge e de readyYield é sinônimo de profit, gainreturn, de acordo com o Dicionário Merriam-Webster. Assim, a alternativa correta é a alternativa A.

According to the text, judge if the following items are right (C) or wrong (E).

1. According to at least one financial adviser, it’s naïve to correlate bonds with interest rates.

Entendo que o item está ERRADO porque o que Milo Benningfield, um consultor financeiro, afirma é que esse tipo de correlação é futile, não naive.

2. The main contention of the article is that investors should be skeptical about Bernanke’s remark in relation to the effects of the American economic recovery.

O texto fala sobre como, nas últimas semanas, investidores estão receosos de um colapso no mercado de títulos de crédito. Isso porque Ben Bernanke, presidente do Federal Reserve, deu a entender que a recuperação econômica pode permitir que o banco central estimule a economia, o que inclui a compra de títulos. O receio é de que as taxas de juros aumentem e com isso os preços dos títulos caiam. O que o autor do artigo afirma é que não é aconselhável apostar nas taxas de juros (e vender os títulos) e que os investidores deveriam adotar uma abordagem estratégica que leve em conta o motivo pelo qual eles têm títulos – alegando que investidores normalmente têm títulos por causa da estabilidade associada a eles.

Apesar de o título do texto ser “Taking a cue from Bernanke a litlle too far”, isso não quer dizer que o autor recomenda que os investidores sejam skeptical sobre o comentário de Bernanke, porque isso quer dizer duvidar que esse comentário seja verdadeiro ou esteja correto. Assim, entendo que o item está ERRADO.

3. The bond market is in such a predicament due to misjudgment on the part of American central bank’s chairperson.

O item está ERRADO porque o autor não estabelece essa relação de causa e efeito.

4. In general, bonds provide stability to an investor’s portfolio.

O item está CERTO porque é o que o autor afirma no penúltimo parágrafo (“the main reason longer-term investors hold bonds […] is to provide a steadying force”) e o que Francis Kinniry afirma no último parágrafo (“‘the role of bonds in a portfolio has always been to be a ballast or a diversifier to equity risk,’ said Francis Kinniry […]. And that is very true today.'”).

Regarding the text, judge if the items below are right (C) or wrong (E).

1. The word “from” in the excerpt “Making a bet on interest rates is not different from trying to predict the next big drop in stocks, or jumping into the market when it appears to be poised to surge higher.” (l.27-29) may be replaced by the word then with no interference in the grammar correction of the sentence.

O item está ERRADO. A palavra from está sendo regida pelo adjetivo different; substituí-la por then não faria sentido.

2. In the sentence “Their cue came from the Federal Reserve chairman, Ben Bernanke, who recently suggested that the economic recovery might allow the central to ease its efforts to stimulate the economy.” (l.14-17) the relative pronoun “who” may be replaced by whom in more formal contexts.

O item está ERRADO. Who é um pronome sujeito, enquanto whom é um pronome objeto. O que acontece é que, em contextos menos formais, o who também pode ser usado como pronome objeto. Isso não quer dizer que o whom possa ser usado como pronome sujeito, que é o que o item sugere, já que em “who recently suggested” o who é claramente sujeito da oração relativa.

3. In the sentence “United States government notes with maturities of 10 years or longer, however, lost an average of 10.8 percent over the same period.” (l.24-26), the adverb “however” may be moved to the beginning of the sentence without interfering in the meaning.

O item está CERTO. However é um advérbio que pode ser usado como advérbio, querendo dizer “no matter how” (como em “However hungry I am, I never seem to be able to finish off a whole pizza”)  ou como conjunctive adverb (connective), introduzindo um período que contrasta com o período anterior (como em “There may, however, be other reasons that we don’t know about” ou “This is one possible solution to the problem. However, there are others”).

O however que temos no texto está sendo usado como conjunctive adverb, e como o item afirma que mudá-lo para a posição inicial no período não mudaria o sentido, o item está CERTO.

Vale mencionar que se o item questionasse efeitos na gramaticalidade ou no estilo, a questão seria bem mais complicada. Há manuais que consideram esse uso conjuntivo de however como incorreto, afirmando que períodos não devem começar com however – é o caso do Chicago Manual of Style e parece ser o caso do The Elements of Style.

4. In the sentence “That includes scaling back its bond-buying program beginning later this year.” (l.17-18), the pronoun “its” refers to “economy”, in the previous sentence.

O item está ERRADO, pois its faz referência a the central bank.

Cheers!

(20/08: fiz algumas alterações nos comentários da 36.1, pois eu falava sobre o that da linha 20, e não sobre o da linha 21. 21/08: adicionei um parágrafo para explicar melhor a 36.2.)

Continuo os comentários, agora com relação ao terceiro texto da prova.

According to the author,

A. Ideologies require proper language.

A alternativa está INCORRETA porque o texto não afirma nada nesse sentido – pelo contrário, o texto fala inclusive que a linguagem comum pode dar expressão a ideologias nobres.

B. Common language opposes poetry.

A alternativa está INCORRETA. Na linha 20, o texto contrapõe a linguagem comum à linguagem da diplomacia. Apesar de o verbo estar no singular em “ordinary language or that of diplomacy has a momentum”, isso não quer dizer que “or that of diplomacy” esteja apenas explicando “ordinary language”: os dois sujeitos no singular estão conectados por or, caso no qual a concordância se dá no singular. Apesar dessa contraposição, e do fato de que o texto afirma que a linguagem da diplomacia é frequentemente (mas não sempre!) como a poesia (l.16), isso não é o mesmo que dizer que o autor contrapõe a linguagem comum à poesia.

C. Diplomacy is related to persuasion.

A alternativa está CORRETA, já que o texto afirma que a diplomacia “is the art of convincing others to perceive things your way.”

D. Ideas last less than material things.

A alternativa está INCORRETA, pois o texto afirma que “ideas are […] more enduring”.

E. Language is a demagogical expression.

A alternativa está INCORRETA, pois o texto não afirma nada nesse sentido; o autor apenas menciona que a linguagem comum e a linguagem da diplomacia podem expressar demagogia, mas também podem expressar ideologias nobres, teorias e crenças religiosas.

In relation to the pronouns shown in bold in the text above, judge if the items below are right (C) or wrong (E).

1. The pronoun “that” (l.21) refers to “language” (l.20).

O item está ERRADO. Quando a oração tem dois sujeitos (momentum / inner driving force) conectados por and, o verbo concorda no plural. Entretanto, o verbo após o that está no singular (is), o que indica ou que o that restringe apenas o sentido de inner driving force, ou que o autor entende momentum and inner driving force como uma coisa única (como no exemplo dado pelo Oxford Guide to English Grammar: “bread and butter was all we had”). Qualquer que seja o caso, o that da linha 21 não faz referência a language.

2. The pronoun “theirs” (l.5) refers to “others” (l.4).

O item está ERRADO. O theirs é um possessive pronoun que faz referência a um substantivo no singular ou no plural. Aqui ele faz referência ao substantivo que vem depois do possessive adjective your (a diplomacia é a arte de convencer os outros a entender as coisas da sua maneira, ou ao menos a ter dúvidas sobre a maneira deles).

É importante lembrar que my / your / his / her / our / their são possessive adjectives, o que quer dizer que eles sempre precedem um substantivo, como em your way. Já mine / yours / his / hers / ours / theirs são possessive pronouns, o que quer dizer que eles não só expressam uma ideia de posse, mas também substituem um substantivo que já foi mencionado. Por exemplo, em “this is my key and that is yours”, o pronome possessivo yours quer dizer your key – assim, ele faz referência a key. No texto da prova, o theirs quer dizer their way; assim, a referência é a way. 

3. The pronoun “It” (l.5) refers to “diplomacy” (l.2)

O item está CERTO – assim como o it da l.4 também faz referência a diplomacy, no mesmo esforço de definição do primeiro período.

4. The pronoun “they” (l.13) refers to “Ideas” (l.11).

O item está CERTO. O autor argumenta no período anterior que de forma diferente do que acontece com coisas materiais, as ideias não podem ser destruídas; só outras ideias podem lidar com elas.

Cheers!

Continuo os comentários passando para o segundo texto da prova.

Based on the text, choose the correct statement.

A. The actions taken for international cooperation are condemned by the new Facebook generation leaders.

A alternativa está INCORRETA porque o texto não diz que os líderes da geração Facebook condenam essas ações – o autor apenas se questiona se esses líderes herdarão o atoleiro de seus antecessores políticos.

B. The cities that host G8 summits generally profit from the presence of presidents and ministers.

A alternativa está INCORRETA porque o texto afirma que “the annual G8 Summits are known for […] saddling host cities with exorbitant costs.”

C. The reasons for young people’s frustrations include political, financial and economic issues.

Essa parece ser a alternativa CORRETA. A frustração econômica e financeira está claramente mencionada na passagem “with economic instability entrenching in the West, a still teetering world financial order”; a frustração política é mais interpretativa, podendo estar relacionada a “escalating tensions in the Middle East” – se entendermos que essas tensões sejam relacionadas a politics (lembrando que a passagem que fala de “empty political promises” não está fazendo referência às frustrações do jovens, pelo menos não exclusivamente).

D. In the 39th G8 summit meeting, empty promises will give room to debates on the global crises.

A alternativa está INCORRETA. O texto afirma que essas reuniões de cúpula são conhecidas por desencadear promessas políticas vazias, mas não afirma nada sobre como a 39ª reunião será diferente nesse sentido.

E. Young people are planning demonstrations to show their dissatisfaction to the G8 Summit leaders.

A alternativa está INCORRETA porque o texto não diz nada sobre jovens planejando protestos.

In the text, “that need” (l.6) refers to

A. Making promises.

B. Convening in Ireland.

C. Measuring progress.

D. Engaging in dialogue.

E. Facing global crises.

A necessidade está expressa logo após o verbo demand, em “all of which demand that summit participants engage in constructive dialogue that leads to measurable progress.” Atenção para o fato de que o texto diz “measurable progress” (o que em última análise poderia ser considerado como a necessidade), porém a alternativa diz “measuring progress”.

Cheers!

Começarei a comentar as questões da prova de inglês pelo primeiro texto (por favor, notem que a publicação do post se deu antes da publicação do gabarito preliminar e por isso o post pode vir a divergir do gabarito).

According to the text,

A. Both environmentalists and economists agree that consumption is at the heart of the current financial and environmental crises.

A alternativa está CORRETA porque no último parágrafo o autor afirma que “at root, many economists argue that reckless consumption […] helped fuel financial crisis. Environmentalists agree that the same consumer binge drove up environmental debt.”

B. The need to understand the current capitalist crisis is urging environmentalists and economists to launch publications on the issue.

A alternativa está INCORRETA porque, apesar de o texto afirmar que “a slew of books, ebooks, pamphlets and journals are tackling this thorny question,” o autor não afirma que foi a atual crise que impulsionou ambientalistas e economistas a publicar esses materiais.

C. Financial and environmental debts have been primarily affecting wealthy countries due to their reckless consumption attitude.

A alternativa está INCORRETA porque o texto não afirma que esse endividamento financeiro e ambiental esteja afetando principalmente os países ricos. Quando o texto fala em wealth generation, a referência é à geração de riqueza de uma forma geral, não especificamente relacionada a países ricos.

D. Business and finance experts had warned Greenpeace activists about the financial consequences of natural resource shortages.

A alternativa está INCORRETA porque o texto não afirma que especialistas tinham avisado ativistas do Greenpeace sobre as consequências financeiras da escassez de recursos naturais.

E. The synergetic link between economy and environment points to the need to tackle financial issues ahead of environmental ones.

A alternativa está INCORRETA porque o autor afirma que Amy Larkin apresenta um argumento convincente sobre como é preciso resolver questões ambientais antes de resolver as financeiras. Além disso, no parágrafo seguinte, ele afirma que em Wall Street os rumores são parecidos.

Based on the text, choose the correct answer.

A. The words “crunch” (l.22) and “crunches” (l.29) are used as synonyms for crisis and crises, respectively.

Alternativa CORRETA já que crunch quer dizer “momento crítico, momento decisivo” e é considerado pelo Random House Roget’s Thesaurus como sinônimo de crisis. Além disso, o plural de crisis é crises.

B. The expression “consumer binge” (l.35) is used as an antonym for the expression “reckless consumption” (l.33).

A alternativa está INCORRETA porque consumer binge quer dizer um consumo exagerado (o Dicionário Porto traduz binge, nesse sentido, como “orgia”) e reckless quer dizer “imprudente, irrefletido”.

C. The word “cogent” (l.12) suggests that the argument put forward by Amy Larkin is ill-founded.

A alternativa está INCORRETA porque cogent quer dizer “convincente, persuasivo”, ao passo que ill-founded quer dizer “infundado, sem fundamento, sem razão”.

D. If the verb “catching up with” (l.14) is replaced by stemming from, the meaning of the sentence remains unaltered.

A alternativa está INCORRETA porque o verbo catch up with quer dizer, nesse contexto, algo como “ter consequências para”, enquanto que stem from quer dizer “derivar de, ser causado por”.

E. The word “looming” (l.21) is used as a synonym for unlikely.

A alternativa está INCORRETA porque looming quer dizer “iminente”, enquanto que unlikely quer dizer “improvável”.

The sentence “By ransacking global (…) credit card draws down financial credit” (l.25-28) means that,

A. By destroying nature, we are reducing our environmental funds just like too many debts reduce our financial credibility.

B. By ignoring the need to protect the environment, our society is increasingly focused on profit rather than quality of life.

C. Due to our reckless behavior towards the environment, less financial support has been assigned to nature-saving projects.

D. Due to the scarcity of environmental fund-raising actions, mankind is making the exploitation of natural resources financially unviable.

E. By tampering with the world biomass, we are affecting investments in the area as much as problems affect us.

A frase inteira é “By ransacking global resources and enfeebling ecosystems, the authors say, we are drawing down environmental credit as surely as reckless spending on a credit card draws down financial credit,” o que quer dizer que ao pilhar recursos globais e debilitar ecossistemas, estamos diminuindo o crédito ambiental assim como usar o cartão de crédito de forma irrefletida diminui o crédito financeiro. A alternativa que mais se aproxima dessa ideia é a alternativa A, apesar de que financial credibility não é necessariamente a mesma coisa que financial credit – uma pessoa pode ter financial credit, mas por algum motivo não ter financial credibility (ou creditworthiness).

A alternativa E não parece ser uma boa paráfrase, já que tamper não quer dizer “pilhar”, mas sim “interferir, fazer modificações, adulterar” e biomass faz referência apenas à matéria biológica, o que exclui a água e o ar, por exemplo – ao passo que ecosystem inclui fatores bióticos e abióticos. Além disso, a frase do texto não fala de investimentos.

Based on the text, judge of the items below are right (C) or wrong (E).

1. Several bank owners claim the economic crisis should be solved first.

O item está ERRADO porque o texto não fala que vários proprietários de bancos reivindicam que a crise econômica deveria ser resolvida antes da ambiental.

2. Amy Larkin believes the worldwide scarcity of resources is affecting the world’s economy.

O item está CERTO porque Larkin afirma que o alto custo de lidar com condições climáticas extremas, poluição e recursos em declínio está apresentando consequências para o capitalismo. É importante notar que no texto não é apenas a escassez de recursos que está afetando a economia mundial, mas o item tampouco é restritivo, o que permite que ele seja considerado correto, já que não contradiz o texto.

Alguns poderiam argumentar que capitalismo não é o mesmo que economia mundial, mas Larkin também fala sobre como todos nós somos afetados pelo endividamento ambiental que nos sobrecarrega com um endividamento financeiro insustentável. Além disso, o título do livro de Larkin é “The Environmental Debt: the hidden costs of a changing global economy“.

3. Wall Street and the City experts foresee a complete market breakdown.

O item está CERTO, pois o texto afirma que já que a escassez de recursos naturais aumenta os preços, uma iminente crise de recursos é evidenciada em um colapso do mercado –  o colapso é completo, devido ao sentido de meltdown.

4. As far as the main issue of the text is concerned, the two economists of the Swiss bank are of the same opinion as the ecologist-author.

O item está CERTO se pensarmos que tanto Larkin (“the ecologist-author”) quanto Donovan e Hudson (“the two economists”) vêm uma ligação entre crise ambiental e crise financeira.

Cheers!